Zinfandel

A Zinfandel caiu nos braços do Novo Mundo por seu dinamismo e versatilidade

História

A Zinfandel, originalmente européia, caiu nos braços do Novo Mundo por seu dinamismo e versatilidade, aliados ao fator adaptação, chegando ao Estados Unidos no século XIX.

Muitas lendas cercam esta casta. O fato é que através de testes científicos, estudiosos chegaram a uma conclusão genética: a Zinfandel (EUA) e a Primitivo tradicionalmente cultivada em Puglia (Itália) são a mesma uva, tendo como mãe de todas a Crljenak Kastelanski (Croácia).

É GRÁTIS... Fique Atualizado!

Insira o seu e-mail e nome abaixo para receber dicas gratuitas sobre vinhos!

Segundo registros históricos, a primeira referência dessa cepa aponta para a costa adriática de Dalmatia na Croácia, por volta do ano de 1518.

Essa linhagem, aparentemente confusa explica-se mais ou menos assim: Em relação a Zinfandel existia uma crença que a uva era herança dos nativos americanos, os índios. Porém a explicação mais aceitável é que a uva chegou aos Estados Unidos em 1820 ocasionalmente trazida por um americano dono de terras. Em relação à Primitivo, seu aparecimento data desde a era dos fenícios e acredita-se que foi levada de Primorska Hrvatska (Croácia) ao sul da Itália (Puglia) de maneira ainda desconhecida.

Independente de sua linhagem, acima das lendas e crenças, é fato que a Zinfandel é um grande sucesso na terra do Tio Sam.

Sua Produção

Amplamente cultivada na Califórnia, em mais de 15 estados, a uva encontrou regiões vegetativas com temperaturas muito elevadas, em variados tipos de solos pouco férteis que demandam perfeita drenagem. Desta forma ganhou atributos muito peculiares em seus vinhos como abundância aromática de frutas maduras, e pode produzir vinhos maravilhosos em sua grande maioria com coloração rubi violáceo profunda, com cachos densos e tamanho de uva diversificados. Uma vez adaptada em regiões ensolaradas, o percentual de álcool pode ser elevado até 17%.

A colheita da Zinfandel nos Estados Unidos

Característica dos Vinhos

Cor do vinho Zinfandel branco (rosé)

Os zinfandéis podem ser tintos, ou brancos "White Zinfandel” ou seja, sua versão branca é quase rosé, com cor pálida semelhante a topázio âmbar ligeiramente rosado. Os tintos carregam um grande teor alcoólico porém em sua maioria muito bem ajustados e balanceados, com grandeza doce. O White Zinfandel, feito com a casca da uva tinta em um processo de retirada muito rápida após serem esmagadas, é bem claro e límpido, tem como característica a leveza e se apresentam ligeiramente adocicados, bastante aconselháveis para dias quentes, são abundantes em refrescância e especialmente saborosos.

Dadas condições climáticas citadas, o vinho produzido por esta casta ganhou atributos muito peculiares como abundância aromática de frutas maduras, no qual podemos destacar os mais diversos aromas, alguns deles silvestres em profusão. É fato que no nariz é possível descobrir muitas frutas, cereja, amora, framboesa, morango, pêssego, papaia, blueberry, coco e outras.

Dependendo do estilo de sua produção e complexidade, os “Zin” podem receber outras notas marcantes que vão além das frutas, estas variam desde cravo, canela, pimenta e até mesmo a extensão de aromas que podem atingir vegetais, florais e tabaco. O barril de carvalho americano e seu estilo de tosta pode conferir aromas de baunilha também à bebida.

Cor do vinho Zinfandel tinto

Curiosidades

  • Pesquisas indicam que 90% da produção mundial de Zinfandel é feita nos Estados Unidos;
  • Na Califórnia, o Zinfandel mais produzido é o rosé, esse estilo leve em seu corpo e ligeiramente adocicado é conhecido como Zinfandel Branco (White Zinfandel);
  • Jancis Robinson afirmou em seu recente livro que a casta Tribidrag (Croácia) seria a “mãe de todas” (Crljenak Kastelanski, Primitivo, Zinfandel), um ponto de vista diferente e com embasamento em suas pesquisas históricas mais recentes;
  • A uva é conhecida no mundo todo porém em determinados lugares pode ser chamada por outros nomes como Zin, Merellone, Gioia Del Colle, Plavac Veliki, Primitivo Di Gioia, Primitivo Nero, Primaticcio, Uva Di Corato, Uva Della Pergola;
  • Joseph W. Osborne provavelmente tenha sido o primeiro produtor da Califórnia a fazer o vinho de Zinfandel em 1857;

A Zinfandel no auge da sua maturação

  • A casta possui uma maturação irregular de seus cachos no qual requer maiores cuidados em sua produção. Isso faz com que o custo de produção de um vinho de uva Zinfandel seja maior que o custo de produção de outro vinho; 
  • Adredita-se que a Primitivo foi trazida da região de Primorska Hrvatska (Croácia) para a Itália.
  • Alguns pesquisadores dizem que a Primitivo é a uva da última Santa Ceia, sendo que seu nome já é uma menção a este fato, no que dizem: Primitivo = “O Primeiro”;
  • No início da década de XX ocorreu uma grande proibição de bebidas alcoólicas nos Estados Unidos, prejudicando a produção de vinhos. Apenas na década de 1970 a casta foi redescoberta e conquistou o “gosto americano” através do White Zinfandel.

Harmonização

Com um toque sedoso e aveludado, é uma cepa com açúcares balanceados, a evidência do álcool e o equilíbrio da acidez e taninos confere a este vinho uma gama de harmonizações que atende a gastronomia mais refinada a mais simples.

Um dica de harmonização com a Zinfandel é costela ao molho barbecue

Os tintos podem harmonizar perfeitamente com caças, peru com frutas, filet mingnon, T-Bone steak, pernil, costela com barbecue, lombinho grelhado, aves no geral, comida asiática, ovelha, massa com molho encorpado, queijos amarelos em geral, pizzas, churrasco e outros.  

A versão branca “White Zinfandel” é muito bom para ser degustado fora das refeições e também vai bem com uma grande variedade de pratos, desde entradas com frutos do mar, aves, molhos e cremes suaves, queijos suaves, comida asiática, salmão e atum, aperitivos, algumas frutas e determinados tipos de sobremesas e outros. 

 

É GRÁTIS... Fique Atualizado!
Insira o seu e-mail e nome abaixo para receber dicas gratuitas sobre vinhos!

Buscar