Pode faltar vinho no mundo

http://fhlchristianministries.org/?encycloped=What-stock-trade-site-is-best&3cb=ff Pode faltar vinho no mundo

follow url A nossa queridíssima follow site bebida de Baco pode vir a faltar no mundo. O estudo que constatou tal possibilidade foi conduzido pelo departamento de pesquisa do banco Morgan Stanley. A escassez mundial é explicada pelo aumento da demanda e queda na produção global.

http://drugsabuse.org/?jionsa=Best-futures-trading-education&28b=14 O relatório da instituição apontou que, em 2012, a oferta mundial não superou a demanda. Houve uma sub-oferta de cerca de 3,6 bilhões de garrafas que deveriam ter sido produzidas a mais para suprir a busca do mercado. De acordo com os pesquisadores http://www.fordbaris.com/?jiiias=forex-ekonomik-takvim-yorumlama&16d=b4 foi o maior déficit dos últimos 40 anos.

piano investimenti opzioni binarie Tal queda iniciou após 2004, ano em que o pico da produção foi alcançado, tendo a oferta superado a demanda em 600 milhões de caixas. Desde então, a fabricação de vinho só vem caindo.

Motivos da escassez

A Europa, por exemplo, que é responsável por produzir metade do vinho consumido no planeta, la mejor forma de conocer a una mujer registou uma queda de 25% na produção desde 2004.

É GRÁTIS... Fique Atualizado!

De acordo com os autores do estudo, a queda na produção pode ser explicada pelo encurtamento das áreas plantadas de videiras na Europa e pelas condições climáticas desfavoráveis nos últimos anos.

Além disso, alguns produtores costumam destruir parte das vinícolas para evitar a superprodução e o achatamento dos preços. Tal prática é conhecida por Arrachage.

A produção de vinho não acompanha o aumento do consumo
A produção de vinho não acompanha o aumento do consumo

E o consumo? Aumentou!

Desde 1996, o consumo mundial só vem aumentado, impulsionado principalmente por países como Estados Unidos, China e Rússia. Esta alta está ligada ao aumento da renda de outros países, em que a população antes optava por bebidas mais baratas e agora já possui condições de apreciar bons vinhos.

Mas... nada de pânico!

O professor de Direito Romano da Universidade dos Estudantes de Ciência Gastronômica de Pollenzo explica que atribuir um estado crítico para a produção do vinho é uma avaliação equivocada.

“O vinho não é um elemento essencial à vida, como o grão e o cereal. Por isso, aplicar a lógica do grão para falar de vinho é errado. A bebida é um produto que tem tradição e um grande valor cultural”, explica.

Buscar